quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Ultrapassar as coisas que nos magoaram numa relação



As rupturas, regra geral são processos dolorosos por acarretarem, quase sempre, grandes e bruscas mudanças nas nossas vidas. Coladas a estas mudanças (cujo propósito não entendemos de imediato), estão intermináveis listas de ‘coisas’ que o outro nos ‘fez’ e que nos magoaram profundamente. 
Acreditamos assim, que é ele(a) o responsável por tudo aquilo que estamos a passar e armazenamos como troféus quilos de ressentimentos e raivas contra aquele que elegemos como único e total responsável pela nossa dor. Acontece que, numa relação ninguém é responsável pela dor de ninguém. Tudo o que nos magoou, foi exactamente aquilo que precisava em nós de ser magoado para ser entendido e integrado. 
Na verdade, aquela pessoa que pensamos nos ter feito tanto mal, foi tão-somente alguém que a vida colocou no nosso caminho para que através dele, possamos entender e transformar aquilo que em nós ainda precisa de transformação. Assim, mais do que, nos desgastarmos a questionar o que quisemos nós dessa relação, é fundamental perceber o que quis essa relação de nós. Para quê guardarmos no baú ressentimentos e mágoas do que não correu bem, se podemos ‘usar’ tudo o que vivemos para aprender um pouco mais sobre quem somos? 

Transcender a dor – Um processo de aceitação e desapego 

Ultrapassarmos o que nos magoou é antes de mais, confiarmos que tudo o que nos acontece tem um propósito e um significado nas nossas vidas, mas que só no tempo exacto saberemos quais. De nada serve, perguntarmos dias seguidos o porquê daquilo ser assim, pois até estarmos preparados para saber, temos um longo caminho pela frente. A primeira etapa desse caminho é a aceitação da dor e o desapego a essa mesma dor. Não adianta agirmos como se não a sentíssemos, pois isso não é sinónimo da sua ausência. Não adianta fugir dela, querendo ‘animar’ em nós o que ainda está ‘desanimado'. Só a ultrapassamos, se a soubermos transcender. E, para isso é preciso vivê-la, senti-la até ao fim para poder esgotá-la. Só depois de esgotada estamos prontos para entender e integrar o que com ela aprendemos e transformámos. Como tudo na vida, a dor também passa. Mas, se por um lado queremos que se vá embora depressa, por outro apegamo-nos a ela permitindo que em nós se instale um profundo sofrimento, fruto de nos mantermos nesse registo para além do prazo de validade que nos é concedido. Resumindo, o sofrimento resulta do nosso apego e ao contrário da dor, é opcional. É o sentimento de posse que nos leva a querer mantê-la, muitas vezes com a ilusória esperança, de que se ela se mantiver viva, o ‘outro’ também se manterá. É o desapego que nos liberta da prisão das ilusões e das mentiras que contamos a nós próprios. 
Desapegar-se é deixar ir, sentindo e aceitando o que se sente. É ter a coragem de parar e deixar que a vida siga o seu fluxo natural, baixando os braços, ‘não-mais-insistindo’ ou investindo em nada que prenda ou nos prenda àquela situação. No inicio deste processo somos confrontados com uma grande falta de entusiasmo, de convicção e até de sensação de perda de identidade. A passividade dói-nos e parece não pacificar o que sentimos. Afinal os nossos valores ainda eram precários e há que dar tempo ao tempo, para que com tempo cheguem as respostas.  

O fim da relação não é o fim do amor - Quando verdadeiro o Amor não tem como acabar 


O facto de a relação ter terminado e de nos sentirmos magoados com situações que nela vivemos, não significa que o Amor que nela partilhámos tenha também ele tido o seu fim. O Amor é eterno, não tem rupturas. A questão é que chamamos muitas vezes Amor às nossas carências e quando assim é, normalmente as relações terminam da pior maneira, com acusações e ressentimentos mútuos, o que nos revela que o Amor não está, e provavelmente nunca esteve verdadeiramente presente. Quem um dia em verdade amámos, nunca poderemos deixar de amar. E, Amar é respeitar as escolhas do outro, não o querer possuir, não o responsabilizar pelas nossas dores. Quem ama sabe que a determinada altura da relação ambos poderão ter de viver outras experiências com outras pessoas e que apesar de isto pode significar o fim da relação, não significará nunca o fim do Amor. A relação é no fundo o teste que aceitamos passar para percebermos o quanto vibramos na energia do Amor. 


A vida continua…é preciso ir fertilizando o coração


Indiferente aos nossos processos, parece estar a vida, que continua a vibrar em nós e a convidar-nos à transformação, mostrando-nos que se nela confiarmos tudo o que precisamos para crescer, nos será gentilmente oferecido. Se a dor que experienciámos foi aprendida e integrada, um dia voltaremos a estar disponíveis para uma nova relação. Para isso, e até lá, precisamos de ir fertilizando o nosso coração, respeitando o mais possível o que sentimos, passando muito tempo na nossa companhia, dando amor a nós mesmos e aos que nos rodeiam, valorizando o que temos em detrimento daquilo que ilusoriamente pensamos que nos estar a faltar. E, de processo em processo, de relação em relação é nos dada a possibilidade de irmos aprendendo o Amor. 
Aceitá-la ou não é connosco. 
Afinal a vida é simples, são apenas escolhas.

Sem comentários:

Enviar um comentário