quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Estratégias de luxo para se (de)primir neste Outono ( Parte I)


A chuva começou.
Anoitece mais cedo. A hora vai mudar. O frio já se faz sentir. Onde está o Verão? O Sol? As férias? Os subsídios de Natal? A Troika está a arruinar-nos, enfim…depois de tanta queixa e tanto lamento que hoje ouvi, decidi publicar algumas estratégias que considero serem de  luxo nesta 'arte' que é deprimir-se verdadeiramente com a vida e manter-se  deprimido(a) por tempo indeterminado. 
Todas elas muito simples, garante quem as pratica que os resultados são bastante eficazes, bastando para isso usá-las tão assiduamente quanto possivel.

Cá vão elas: 

Assistir diariamente ao Jornal das oito.
Não importa em que estação televisiva escolhe fazê-lo, mas não deixe de assistir. De preferência pegue numa caneta e num papel e anote tudo o que de muito mau acabou de ouvir, pois convém relembrar várias vezes ao dia.
Identifique-se com o que ouve.
Nada melhor que “ criar” identificação.
Mesmo que não seja tão verdade assim na sua vida, acredite que é, e ‘co-criará’ o resultado pretendido.    
Sinta a crise em si.
Reclame pelo menos 3 vezes ao dia o seu salário miserável, a sua renda alta, a ausência dos seus subsídios. Sinta como é infeliz e o quanto esta crise tem amaldiçoado a sua vida.
Fuja da natureza
Passe os fins-de-semana enfiado(a) em casa. Faço-o de preferência em frente à televisão. Diga pelo menos 3 vezes por dia, (preferencialmente antes das refeições) que não tem dinheiro para ir fazer compras para o shopping, nem para almoçar ou jantar fora. Tape-se com um cobertor, cabeça também e mantenha um pensamento negativo em relação ao mundo, ao seu país, à sua família, à sua casa e aumente essa negatividade mais e mais quando pensar em Si próprio. Fuja da natureza, pois nela pode perceber de repente a simplicidade da Vida e isso ser-lhe-á prejudicial para o resultado que pretende obter. 
Nunca olhe para o que tem, mas sim para o que lhe falta.
Sinta-se culpado por tudo o que não fez e por tudo que não tem, mas não faça nadinha para mudar. Mantenha a culpa ativa em si.
Várias vezes ao dia diga em frente ao espelho, que não presta, que não conseguiu o que tanto queria, que nunca devia ter comprado aquela casa, aquele carro, escolhido aquela mulher ou aquele marido, que tudo o que fez foi errado e mesmo o que por instantes lhe possa parecer que não foi, insista para que seja. 
Não confie em ninguém, muito menos em Si.
Lembre-se todos os dias, (sugere-se que seja logo ao acordar) que não pode confiar em ninguém. Lembre-se do quanto as pessoas são más, mesquinhas e horripilantes. Ao lembrar-se disto repita para si mesmo que nunca, aconteça o que acontecer, irá confiar em ninguém. Muito menos em Si, que embora não tenha os “atributos” alheios, também não é grande coisa, por isso regra de ouro – não confie em Si.  
Não medite nunca.
Continue a manter em si a crença de que não nasceu para meditar, e que isso é coisa de gente que anda no mundo da Lua. Diga várias vezes a si próprio(a) que a sua mente nunca irá sossegar e que a meditação não serve para nada.
Trabalhe compulsivamente
Nunca pare. E, mesmo que esteja parado, continue.  
Tome antidepressivos com regularidade.
É fundamental. Não abdique. Ansiolíticos e anti depressivos mantem-no sempre deprimido, por isso não corre o risco de se “ curar” e estará também a contribuir para manter a depressão coletiva e os lobbies da indústria farmacêutica. Nunca frequente grupos de inter-ajuda, nem faça nada para se conhecer melhor. Isso irá levá-lo(a) a perceber que tem responsabilidade da sua própria vida e pode libertá-lo da depressão.          
Resista firmemente às mudanças
Ignore a ciclicidade da vida e a sua impermanência. Borrife-se para tudo o que o faça recordar que é um Ser espiritual que escolheu fazer uma experiência terrena.
Mantenha tudo o que não gosta e que não o(a) faz evoluir. 
Interesse-se pela vida alheia e desinteresse-se da sua.
Esta é uma dica de ouro. Nada melhor para se deprimir e fugir de si que viver a vida dos outros, ‘inventar’ que é o(a) melhor cuidador(a) do mundo, que faz tudo por toda a gente e que, pobre de Si, ninguém reconhece as suas tão nobres dádivas. Insista neste tema e não olhe nunca para dentro           

E,por fim…

Mantenha relações tóxicas. 
Mantenha com convicção relações tóxicas na sua vida. Invista em discussões e nunca escute quem quer que seja. Seja ‘umbiguista’ e jamais saiba reconhecer nada de bom no outro. Deixe-se inundar por dramas relacionais, e mesmo que sinta ser necessário seguir um caminho diferente, e ‘libertar-se’ do que não lhe faz bem, não o faça. Deixe-se inundar pelo lodo da toxidade e saiba que manter-se deprimido é uma 'arte' a que todos têm acesso, mas que nem todos ESCOLHEM experienciar.   


A parte II deste post será publicada em breve com o titulo " Estratégias de luxo para se (de)primir com ou sem relação".     

Sem comentários:

Publicar um comentário