quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Estratégias de Luxo para se (De)Primir com e sem relação - Parte II

Palestra Humoristica sobre o tema 22 de Novembro 
 Cinema City Alvalade - 19:30 

Pois bem. Nada melhor nos dias que correm que saber manter uma boa depressão. Quem sabe uma forma de nos sentirmos parte dum sistema, dum fosso coletivo, de um constrangedor e dilacerante pessimismo, que, dê lá por onde der, tem de ser uma verdade na vida de cada um de nós. Escondidos na impotência existencial de termos incarnado seres humanos supostamente conscientes, mas dotados da porra da dificuldade de nada fazemos para mudar o que não queremos para nós, mantermo-nos cabisbaixos e deprimidos sempre pode dar algum jeito, pois liberta-nos da responsabilidade da ação, que, estando ao alcance de todos, nem todos a pretendem alcançar.
Assim sendo, e como o prometido é devido, cá vai a 2ª parte das ‘luxuosas estratégias’, a que podemos aceder para nos deprimirmos cada vez mais, com glamour e muita classe. Desta vez, a proposta é como fazê-lo com e sem Relação Amorosa. 

Então cá vai.

Se já se separou vezes sem conta e sente que não há relação que ‘funcione’ para Si, leia com atenção o que se segue:

Lamente todos os dias o facto de não ter ainda encontrado a sua “ Alma Gémea”
Faço-o com determinação e foco. Veja ‘românticos-filmes-de-finais-felizes’ (muitos), e sinta só ‘metade-da-sua-cara’, ‘metade-da-sua-laranja’ na fruteira, ‘metade-da-sua-vida’ preenchida. Acorde e adormeça com este pensamento.  

Rejeite todas as possibilidades de estar só consigo.
Veja televisão compulsivamente, enfie auriculares nos ouvidos sempre que  o som do silêncio surja. Não medite nunca. Não escreva. Não faça nada que o aproxime de Si.      

Recorde os tempos difíceis que viveu na sua relação anterior e enalteça-os.    
Lembre-se diariamente os tempos conturbados que viveu na sua relação anterior, mas recuse-se a perceber tudo o que isso lhe pode ter ensinado. Enalteça-os apenas.  
  
Aceite qualquer migalhinha que lhe queiram dar, para não estar sozinho(a).
Afinal você não merece nada que não sejam migalhinhas. Opte por aceitá-las sempre, relembrando-se que vale mais estar mal acompanhado que só, e repita-o pelo menos três vezes ao dia para fortalecer em si este estado de falta profunda de respeito próprio. Guarde-as em recipiente adequado, e acredite na versão de que muitas migalhas dão um pão. Até lá ouse passar fome.           

Procure, procure, procure…não importa onde e quem.
Acompanhe a sua incessante busca, com o livro do Patinho Feio debaixo do braço. Releia-o várias vezes ao dia. A sua criança interior (tão na moda hoje em dia) vai adorar lembrar-se do quanto é rejeitada e do quanto vai ser difícil encontrar alguém que por si se interesse.

Devore comida e reclame.
Mais do que o ato de devorar é mesmo o ato de devorar e…reclamar.
Bolos variados, chocolate e batatas fritas, poderão ser, depois do seu estomago já estar a transbordar, sábios parceiros, especialmente se estiver a marinar no sofá, dando o seu humilde contributo para manter em alta as audiências da telenovela, ou da fabulosa Casa dos Segredos. Lembre-se que  engordar é uma boa aposta, mas reclamar que engordou é ainda melhor.

No entanto se ‘já-tem’ uma relação, esqueça o que leu até aqui e leia agora o texto que se segue:

Faça o outro sentir-se culpado(a) por não satisfazer todas as suas necessidades.
Esta dica é fundamental para manter sempre quente o conflito entre vocês. Fundamental também, é não fazer nada para saber mais sobre si ou sobre as suas necessidades. Reclame constantemente a ‘falta-de-atenção’ que o outro lhe dá, mas nunca, aconteça o que acontecer lhe dê atenção.

Promova uma renhida competição a dois.
Imprescindível saber que numa ‘relação-da-treta’, há sempre um que ganha, logo outro que perde. Assim sendo, mantenha acessa a chama olímpica entre vocês. Compita. Lute pela sua medalha de Ouro e não aceite imitações. Isto tirar-lhe-á o sono e sem dormir a sua depressão naturalmente aumentará.  

Aconteça o que acontecer, nunca diga a verdade.
A verdade é algo difícil de digerir e pode aproximar-nos do outro. Mantenha-se mentiroso(a) na relação. È uma mais-valia grande para se manter afastado e se iludir de relação.

Diga não ao sexo.  
Dica de ouro. O sexo não faz falta a ninguém e é incompatível com o caminho espiritual. Invente dores de cabeça, dores de costas, filmes até tarde, mas…não ceda nunca ao encontro sexual com o seu parceiro(a), especialmente se este acontecer fora da cama.  

Faça cenas de ciúmes pelo menos uma vez por semana.
Vasculhe as coisas do outro com regularidade e faça marcação serrada. Confronte-o(a) com as inúmeras pessoas com quem fala e exija perentoriamente um ponto final em qualquer amizade “duvidosa”. Caso haja alguma resistência, esbraceje, manipule, ameace…e, principalmente faça-o(a) acreditar com todas as suas forças, que ter ciúmes é sinónimo de Amor e por isso ele(a) até devia estar grato com tanto Amor da sua parte.

Por fim…

Amue com frequência e nunca olhe o outro nos olhos.
Amuar aumenta brutalmente o seu ritmo cardíaco e normalmente provoca no outro uma raiva crescente por não saber o que se passa consigo. Amue com frequência e aconteça o que acontecer, nunca ouse olhar o seu parceiro(a) nos olhos, pois é neles que reside a Alma e é desta que se quer permanecer deprimido(a) tem de se AFASTAR.   




Sem comentários:

Publicar um comentário