quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Para cada tacho, sua tampa...

Na passada segunda-feira num jantar de amigas, alguém se queixava de ‘ não encontrar o seu companheiro e disso a estar a deixar cada vez mais sem esperança’. Ao escutar isto, outro alguém acrescentou de imediato‘ que não se preocupasse, pois para cada tacho existe uma tampa’ e por isso a ‘tampa’ dela, um dia iria aparecer. J
Genial, pensei. Na verdade, quando deixamos de procurar e decidimos apenas VIVER aquilo que a Vida tem para nós, as perdas e os ganhos, os encontros e desencontros, acontecem naturalmente, tal como a noite se sucede ao dia sem lhe opor qualquer tipo de resistência.
Tudo está certo, apesar de nem sempre parecer.  
Hoje mesmo dei por mim a pensar, como me sinto grata por partilhar a minha vida com o Nuno, meu companheiro, que, costumo dizer me encontrou, quando deixei de procurar. Temos os nossos desafios, claro está. Uma relação é um ser vivo. Tem a sua dinâmica, o seu próprio crescimento, a sua própria identidade.
Não é o absoluto, tão-simplesmente porque os absolutos não existem.
Mais do que a ultima a morrer, a esperança deve ser cada dia mais VIVA em nós, para que aceitemos de uma vez por todas que se ainda estamos ‘sozinhos’ é porque ainda não chegou a hora de estarmos acompanhados. Talvez as aprendizagens de dividirmos a nossa casa apenas com nós próprios ainda não se tenham esgotado e não tenhamos ainda sido bafejados com a ausência do medo profundo, que é não mais encontrarmos alguém que queira partilhar connosco uma vida a dois.
Ao perdemos este medo, a bruma em que vivíamos, dissipa-se e podemos finalmente encontrar a lucidez que é sermos o(a) nosso(a) melhor amigo(a). Só quando aprendemos a viver ‘sem-ninguém’, a sermos a nossa melhor companhia, a fazermos sozinhos tudo aquilo que gostaríamos de fazer acompanhados, e mesmo assim somos profundamente gratos e deliciosamente felizes, é que podemos finalmente ser o dito ‘tacho’ pronto, para que a ‘tampa’ certa encaixe, sem esforço, sem pressão, naturalmente.

Sem comentários:

Publicar um comentário