segunda-feira, 13 de novembro de 2017

A MORTE NÃO É O FIM

Percebi agora, que desde que ficaste doente, nada publiquei aqui no Blog...
Acabaste por partir...voltei aqui para escrever...
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Paizinho,
Ainda me custa a acreditar que o teu corpo já não está entre nós.
Dizem os ‘entendidos’ que é mesmo assim…a negação chega em primeiro lugar e sobrepõe-se à realidade que é vermos partir quem amamos.
Confesso, que não lhe chamo negação, mas sim apego.
O apego que me faz querer ouvir o telefone tocar, o apego que me faz querer almoçar ou jantar contigo, o apego que me empurra para a (in)verdade que é, acreditar que pode existir vida sem morte e morte sem vida.
Contrariando a ordem natural de todas as coisas, ensinam-nos que a morte é algo trágico.
Em crianças privam-nos de ir a velórios (ainda que sejam dos nossos avós), dizem-nos que o preto é a cor da tristeza, e até que há que vestir muito quando alguém próximo de nós morre, quando, meu pai, a morte nada mais é, que a passagem para uma nova vida, a abertura de  um novo portal, uma imensa e profunda purificação dos nossos egos cansados de tanto controlar.

Viveste uma vida repleta de vida. Tristezas, alegrias, frustrações, ilusões, momentos de derrota e de glória. Escreveste um livro, plantaste uma árvore, foste pai de três filhos e de uma cadela que honraste como ninguém, e que sei sentirá muito a tua ausência física. 

Muitos desses momentos, tive a honra de teres partilhado comigo.
Foi neles que te conheci recantos muito sensíveis e humanos, incrivelmente inspiradores, que me empurraram desde criança, para uma reflexão continua sobre a existência, o sentido da vida, e me ensinaram a não me contentar com o que é “normal”…
Cedo percebi, que não sofrias da pior doença do século – a “normose”, ou seja ser “nomalzinho”, representando a vida por ordem cronológica como ditam as regras.
Tu, realmente não ias para onde todos iam, não fazias o que todos faziam, não dizias o que todos diziam, só porque sim… eras tu próprio e permitiste-me, a mim e aos meus irmãos sermos nós próprios também!
Deixaste-me assim o maior legado que se pode deixar a um filho – a certeza de que só a vida nos ensina o que precisamos de aprender.
Talvez por isso, não tiveste a pretensão, de me quereres ensinar, mas sim a coragem de permitires que fosse eu a aprender! E, isto meu pai, fez toda a diferença no meu caminho.
Soubeste apertar-me o menos possível, mimando-me o mais que pudeste.
Amo-te, Paizinho.
Ontem, foi um dia triste.
O apego quis falar mais alto.
Escutei-o sem o mandar calar.
Despedi-me do teu corpo, mas não de TI.
A tua alma seguirá o seu caminho na luz e juntos continuaremos a seguir o nosso, agora de uma outra forma.
A morte não é o fim.

Porque quem vive em nós, não tem como morrer!   

Sem comentários:

Publicar um comentário